VIAGEM-TESTE
por Suzane Carvalho


O dia a dia com a Honda CBR 250R

         

Fotos: Thiago Pinheiro

     Modelo global da Honda, esta pequena esportiva é importada oficialmente pela fábrica japonesa e vem da Tailândia. É o mesmo que é comercializado no Japão, nos Estados Unidos e outras partes do mundo. Para o consumidor brasileiro, passou por ajustes na suspensão, que ficou mais dura para se adaptar ao nosso solo, e no mapeamento do motor para se adequar ao nosso combustível.

     Foi lançada em abril deste ano e já é líder no seguimento, com mais de 34% das vendas. Em setembro foram emplacadas 776 contra 220 da “Ninjinha” e 141 Kasinski Comet 250, lembrando que a Kawasaki já anunciou nova versão da “Ninjinha”.

     Leve, muito fácil de guiar e de excelente manobrabilidade, foi muito confortável usá-la em meu dia a dia. Foram quase 1.500 km nas ruas de São Paulo e Rio de Janeiro, nas estradas que ligam as duas cidades e na pista de testes.

     Assim que sentei, percebi que minhas pernas se encaixaram perfeitamente no tanque, parecendo até que fora moldado para mim. Eu meço 1.70 m. O banco fica só a 78,4 cm do chão e a distância mínima do solo é de 14,5 cm. Como as pedaleiras são um pouco recuadas, dá para deitar nas curvas sem que as mesmas toquem no chão.

     Com farol integrado à carenagem, tem design moderno, que se identifica com toda a linha Honda. O desenho do painel remete ao do conjunto ótico dianteiro.

     O ajuste de suspensão e a posição de pilotagem não são “racing”, mas calibrados para o uso “street”. É própria para quem quer uma utilização nas ruas com um visual esportivo. A suspensão está mais para mole, mas oferece 5 regulagens para a mola traseira podendo deixá-la mais durinha no caso de pegar uma estrada boa. A traseira é pro-link com 104 mm de curso, e a dianteira, garfo telescópico, com 130 mm de curso. O chassi é do tipo Diamond de baixa torção e estrutura tubular com treliças.

     O motor é monocilíndrico com 249,6 cm³, DOHC (duplo comando de válvulas no cabeçote), 4 válvulas que abrem de duas em duas, com balancins roletados, pistão com contrapeso e refrigerado a água. Este é o primeiro motor DOHC no mundo a utilizar balancins roletados. A injeção é eletrônica PGMFI.

A potência é de 26,4 cv a 8.500 rpm, o torque é de 2,34 kgf.m a 7.000 rpm, a taxa de compressão é 10,7:1 e a relação diâmetro x curso do pistão é 76 x 55 mm. A entrada e a saída do ar são feitas em um caminho o mais reto possível. Com a circulação de ar mais rápida, a queima do combustível é também mais rápida.

     Ela é muito redondinha, muito gostosinha de pilotar. Driblar o trânsito é extremamente fácil. No retão em descida da pista de testes, chegou a 172 km/h e o que me impressionou, é que ela não mexe nada! A estabilidade é fantástica. Mesmo sendo uma moto leve, que pesa apenas 150 kg. Fiquei com o tronco apoiado no tanque e totalmente relaxada em cima dela. Parecia até que eu estava no sofá de casa. Não, não é exagero. Isso é consequência da carenagem dupla que cria um fluxo de ar interno ajudando a ter excelente aerodinâmica. No motor, os balancins roletados que suavizam a abertura e fechamento das válvulas e o pistão com contrapeso na parte inferior ajudam a diminuir a vibração. Tive a impressão de estar em uma moto perfeita. Deu até para amarrar minhas malinhas comodamente.

     Como tem seis marchas, a sexta é mais longa, permitindo que alcançasse a velocidade máxima sem cortar o giro. No plano, alcançou 152 km/h a 9.100 rpm. Em descida, 172 a 10.200 rpm. Ele corta a 10.800.

     As velocidades em cada marcha foram as seguintes:
1ª – 52 Km/h
2ª – 82 Km/h
3ª – 112 Km/h
4ª – 132 Km/h
5ª – 158 Km/h
6ª – 172 Km/h

     O freio dianteiro é composto por disco único de 296 mm de diâmetro com pinça de pistão duplo. O traseiro, por disco de 220 mm de com pinça de pistão simples. E tem versão com Combined ABS, que pesa 4 kg. Vem com aro 17” na frente e atrás.

     Tem essa toda preta e a branca com detalhes em vermelho e azul, parecida com a da equipe oficial da Honda, a HRC. O preço sugerido é de R$ 15.490,00. A com C-ABS custa R$ 2.500 a mais e não tem a preta.

     O tanque de combustível tem capacidade para 13 litros de gasolina, mas como você pode ver abaixo, nunca utilizei os 13. Com o consumo medido, deu uma média de quase 35 km/l na cidade e 28 km/l na estrada. Na cidade, dá para fazer 440 km com um tanque. E na estrada, se você andar em velocidade constante e giro baixo, dá para andar ainda mais. A gasolina com que ela obteve melhor desempenho foi com a BR comum. Mas fique atento aos postos em que você abastece, pois nem sempre a gasolina é totalmente “original”.

KM

KM RODADOS

LITRAGEM

CONSUMO km/l

$

$/litro

GAS

USO

3427

-------

-------

-------

-------

-------

-------

-------

3704

277

7,98

34,71

22,33

2,799

Br comum

cidade

3940

236

8,89

26,54

24,79

2,789

v-power

cidade/estrada

4084

144

6,93

20,77

20,09

2,899

Shel com

teste

4351

267

9,34

28,58

28,01

2,999

Ipir adit

estrada

4568

217

7,42

29,24

22,19

2,999

Br Supra

cidade/estrada

4740

172

7,66

22,45

22,22

2,89

BR comum

estrada

4855

115

-------

-------

-------

-------

-------

-------

     p.s.: o uso é sempre relativo à gasolina colocada anteriormente.

     p.s.2: note que em estrada ando com o giro mais alto, aproveitando a faixa onde está o maior torque e potência do motor, por isso o consumo é maior.

Confira a galeria completa aqui.

 



04 de Novembro de 2012