VIAGEM-TESTE
por Suzane Carvalho


Teste da super poderosa da "Família Ténéré", a Yamaha XT 1200Z Super Ténéré

       

fotos: Suzane Carvalho e Stephan Solon

     Para fechar o teste com a “Família Ténéré”, peguei a Yamaha XT 1200Z Super Ténéré já em um final de tarde. O prazer e a segurança em pilotá-la até em casa, foi tão grande, que não esperei a manhã chegar para pegar a estrada, pois a Lua cheia nos convidava para um passeio. E foram 3.042 quilômetros com ela. Não na mesma noite, claro. Ela já estava com 4.466 Km rodados e a deixei com 7.508.

     Ela simplesmente deslizava pela Via Dutra. Fácil de fazer curva, confortável e segura. Os faróis, de duas lâmpadas halógenas de 55 W parecem dois olhos mascarados. Quando você acende o farol alto, o facho de luz do baixo não apaga para acender outro, mas acende-se um adicional. Na frente tem ainda duas “lampadinhas“ laterais auxiliares de 5 W (a mesma intensidade da iluminação da placa traseira). Se elas fossem em led ficariam mais charmosas, já que a lanterna traseira e a luz do freio o são. Pena que ainda não existe farol direcional em motos. Quer dizer, na maioria das motos é, já que estão fixados ao garfo da suspensão ou ao guidão, e acompanham o movimento. Mas seria interessante se tivesse um que virasse conforme a inclinação da moto, e compensando a angulação.

PAINEL

     O painel é completo: conta-giros analógico e as outras informações em digital. A iluminação dele é laranja e os super indicadores dos piscas jamais te deixarão esquecê-los ligados. Tem ainda outras oito luzes de advertência.

     O computador de bordo mostra a temperatura exata que o motor está trabalhando, com alertas de HIGH ou LOW para te avisar se estiver fora da faixa ideal. Abaixo de 39° c ou acima de 121° c. E ela trabalha sempre em temperatura de uma super esportiva: entre 80 e 100 °c. Tem opção também de mostrar a temperatura ambiente.

     Você pode ver o consumo de combustível instantâneo, ou a média dele por trecho. O único problema é que ele me disse que em determinado trecho a moto fez 17 Km/l enquanto minha calculadora marcou 15,63. Quando o computador marcou 15,8, minha calculadora apontou 14,03. E o consumo ficou assim: entre 14 e 18 Km/l. Se você quiser, em vez de te mostrar em Km/l, ele pode te mostrar em l/100 Km. Além do odômetro total e dois parciais, te mostra também o “Fuel Trip”, ou seja, quanto você já rodou depois que começou a se utilizar da reserva. Indicação essa que me deixa sempre desesperada, principalmente, na estrada, e à noite, pois dependendo da qualidade de gasolina que você coloca, a variação da autonomia pode ser bem grande. O tanque tem capacidade para 23 litros. Desses, 3,9 são da reserva, ou seja, aproximadamente 60 Km para encontrar um posto de gasolina.

     Na carenagem dianteira tem espaço para acomodar um GPS. Na verdade, a Super Ténéré é completa. Além do freio com ABS, tem controle de tração em dois níveis, e opção de desligar. Dois modos de mapeamento do motor, tomada auxiliar DC 12 V, cavalete central, protetores para as mãos, ajustes de suspensão, sistema imobilizador, relógio. Ela vem pronta para receber três baús. Como eu não os tinha, minhas “malinhas” ficaram muito bem acomodadas devido ao mesmo nível do banco do carona com o bagageiro.

     Ergometricamente, é perfeita para mim. A altura do banco é regulável e pode ficar a apenas 84,5 cm do chão na posição mais baixa ou subi-lo para 87 cm. Minhas pernas não ficaram muito dobradas, a posição do guidão está confortável, mas a distância das manetes e dos comandos não é para quem tem mão pequena. A embreagem é um pouco dura quando se fica muito tempo andando no trânsito pesado. O para-brisa te livra totalmente o vento do peito e da cabeça, mas em alta velocidade ele é desviado para os braços.

MOTOR

     Os 1.199 cc estão distribuídos em dois cilindros posicionados paralelamente. É 4 tempos, refrigerado a água, 4 válvulas por cilindro, duplo comando no cabeçote e dupla ignição. A potência é de 110 cv a 7.250 rpm e o torque de 11.6 kgf.m a 6.000 giros. O motor corta a 7.750 rpm. A taxa de compressão é de 11:1 e o diâmetro do pistão é maior do que o curso: 98 x 79.5 mm. A lubrificação é feita por cárter seco.

     O despejo da potência do motor é controlado eletronicamente e é possível escolher entre dois modos de mapeamento de motor, chamado de D-Mode: T de “Touring” e S de “Sport”. O acelerador é eletrônico: Yamaha Chip Controlled Throttle, YCC-T, que em conjunto com o virabrequim de 270° tem por objetivo deixar a aceleração mais linear e a tração mais forte.

     Atenção: a Yamaha recomenda amaciar o motor durante 1.600 Km.

     São 6 marchas e a transmissão final é por eixo cardan. As velocidades máximas que a moto apresentou no velocímetro foram: 1ª - 86 Km/h / 2ª - 116 Km/h / 3ª - 151 Km/h / 4ª - 188 Km/h - 5ª - 219 Km/h - 6ª - 217 Km/h

SUSPENSÃO

     A Super Ténéré mede 2 metros 25 cm e a distância entre eixos é de 1 metro e 54 cm. Equilíbrio garantido. Pesa 261 kgs e a distância mínima do solo é de 20,5 cm, suficiente para trilhas leves e lombadas. Para suportar melhor os impactos, o quadro é backbone em aço. O curso das duas rodas é o mesmo: 190 mm.

     A suspensão dianteira é composta por dois garfos telescópicos com mola helicoidal e amortecedor hidráulico. Tem ajuste de compressão e retorno dos amortecedores, mais ajuste da pré-carga das molas. E bem fácil mexer nos ajustes. A mola e o retorno do amortecedor se ajustam na parte de cima do garfo, enquanto que a compressão do amortecedor se ajusta na parte de baixo do garfo, perto do freio.

 

     A suspensão traseira é em alumínio, do tipo balança com link, com mola helicoidal e amortecedor a gás/óleo. Tem regulagem da mola e do retorno do amortecedor. São 20 cliques para você achar o acerto ideal para seu bumbum não ficar pulando, de acordo com o piso e peso.

     Com a mola endurecida, dá a impressão de que moto fica bem compacta e ela fica rápida de fazer curvas em asfalto. Muito gostosa mesmo. O ajuste é bem fácil. Então, não hesite: quando mudar de tipo de terreno ou colocar carga, incluindo alguém, mude a suspensão. Se for entrar em estradas de piso irregular, pare e amoleça a mola, o que levará apenas alguns segundos, e você se divertirá mais com ela, pois absorverá melhor os solavancos.

     Ela tem também controle de tração TCS com dois níveis que pode ser desligado ou mudado enquanto estamos andando. O controle de tração ajuda para andar, principalmente na lama.

     A roda é DID japonesa, raiada, e sem câmara. Vem com pneus Metzeler Tourance Exp C 110 x 80 x 19 na dianteira e 150 x 70 x 17 na traseira. Estranhei que os pneus estavam perdendo pressão muito rápido. Talvez algum problema na válvula. Quando peguei, ela estava com calibragem 23/29 e estava bastante pesada para o asfalto e trânsito. Fui subindo até a pressão 42 nas duas rodas. Ficou show!

FREIOS

     Os freios vêm com ABS linear, um sistema em que a pressão hidráulica varia de acordo com a variação do piso.

     A Yamaha chama de ABS Unified Brake System a equalização dos freios entre as duas rodas, que a Honda chama de C-ABS (Combined ABS). Mas caso você queira controlar a moto em baixa velocidade, segurando só no freio traseiro, isso é possível, pois o sistema só entra em ação a partir de certa velocidade. Se mostraram bastante eficazes em todos os testes que fiz, mas achei que o ABS traseiro entra em ação cedo demais. Os discos dianteiros têm 310 mm de diâmetro, e o traseiro, 282 mm.

     Ela tem duas coisas que eu acho que todas as motos deveriam ter: tranca o guidão para os dois lados e pisca-alerta. Só achei curioso que ela não tenha tranca porta-capacete.

     A cor, por enquanto só o azul, que é tradicional e perfeita. Talvez uma cor de terra com detalhes em amarelo também fique legal, já que lembra o deserto. Custa R$ 61.000,00 e está em uma das 550 concessionárias para você ir vê-la de perto e, quem sabe, comprá-la.

     MOTÃO ! =)




29 de Março de 2012